Notícias

SERÁ POSSIVEL UM PENSO-RÁPIDO INTELIGENTE  “SUGAR” OS GERMES DE UMA FERIDA?

fb

Engenheiros médicos já usam fibras nanométricas, isto é, em tamanho igual ou inferior a um bilionésimo de metro, como alternativa para reparar tecidos em crescimento, como, por exemplo, a pele. Agora, estão a desenvolver malhas de nanofibras – material não visível ao olho humano com superfície e diâmetros muito menores que um fio de cabelo – capazes de “sugar” germes e bactérias de feridas e acelerar a cura, avança o Diário Digital.

Os avanços foram relatados num simpósio anual sobre tecnologias médicas, que ocorreu em Baltimore, no Estado de Maryland (EUA), avança o Diário Digital.Os cientistas injectaram o material em feridas para dar início à reparação dos tecidos, mas, para projectar um curativo verdadeiramente inteligente, eles precisam de saber como acontece a interacção com as bactérias.

Depois de testar nanofibras de vários tamanhos, os cientistas descobriram que os germes transferem-se mais facilmente para os materiais com diâmetros que correspondem aos tamanhos das bactérias.

Quando os cientistas colocaram as nanofibras num recipiente com Staphylococcus aureus, uma bactéria causadora de infecção crónica, as bactérias rapidamente ligaram-se às fibras de 500 nanómetros de largura, mas dificilmente nas fibras com diâmetros maiores.

Os investigadores, que pretendem testar a descoberta num material que se assemelhe a pele humana, esperam desenvolver curativos inteligentes que poderiam impedir infecções. Os médicos, então, poderiam curar uma ferida apenas com um “pequeno” penso-rápido.


PORQUE É QUE OS MÉDICOS QUEREM DAR A VOLTA A BEBÉS DURANTE A GRAVIDEZ?

10347688_722425127840007_8282924545703306595_n

A Direção-Geral da Saúde quer generalizar manobras que podem reduzir em cerca de mil o número de cesarianas anuais, noticiou o “Diário de Notícias”.

Quando uma gravidez se aproxima do fim, os bebés dão a volta e ficam de cabeça para baixo. Mas há bebés que se mantêm firmes e ficam sentados, o que obriga quase sempre a fazer cesariana.

Os médicos estão cada vez mais convencidos de que não tem de ser assim. Dois hospitais públicos – Santa Maria e São João – já estão a fazer uma manobra que permite em poucos minutos dar a volta aos bebés mais teimosos.

Tem sucesso em metade dos casos e permite quase sempre ter um parto normal. Agora, a Direção-Geral da Saúde quer generalizar a prática e fazer recomendações, podendo reduzir em cerca de mil o número de cirurgias.

A taxa de cesarianas em 2013 foi de 30,5%, o que significa que terão sido realizadas mais de 25 mil, demasiadas para as metas de 25% a 27% que se pretende alcançar. A manobra será um contributo para aumentar o parto normal.


SERÁ QUE TRATAR A HIPERTENSÃO ARTERIAL PODE CURAR A DIABETES?

Diabetes wordcloud

A cura para a diabetes tipo 1 pode estar num fármaco utilizado amplamente para tratar a hipertensão arterial. Um novo estudo acaba de provar que o medicamento “verapamil” é capaz de reverter totalmente a doença em modelos animais e o primeiro ensaio clínico com humanos arranca já em 2015.

Os investigadores da Universidade do Alabama em Birmingham (UAB), nos EUA, conquistaram, recentemente, uma bolsa de mais de dois milhões de dólares para a condução deste ensaio com vista a apurar se o fármaco tem o mesmo efeito nos pacientes, o que poderia significar a erradicação deste tipo de diabetes.

De acordo com um comunicado da instituição universitária norte-americana, os cientistas vão estudar uma abordagem diferente de todas as que hoje são utilizadas no combate à doença, focando-se na promoção de células especializadas do pâncreas – as células beta – responsáveis pela produção da insulina de que o organismo necessita para controlar os níveis de glicose no sangue.

Ao longo de vários anos, a equipa da Universidade do Alabama provou que os elevados níveis de açúcar no sangue fazem com que o corpo produza em excesso uma proteína denominada TXNIP, que cresce no interior das células beta como resposta à diabetes, conduzindo à sua morte e sabotando os esforços do organismo no sentido de gerar insulina.

 

steven-rumsey