Boletim polínico 2016 melhorsaude.org melhor blog de saude

ALERGIA AO PÓLEN BOLETIM POLÍNICO, COMO PROTEGER-SE?




melhorsaude.org

O QUE É O BOLETIM POLÍNICO ?

O boletim polínico é um relatório semanal da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), que descreve a origem e concentração de pólenes no ar, nas diferentes regiões de Portugal.

É um instrumento de enorme utilidade para os muitos milhares de Portugueses que sofrem com alergia a pólenes e que desta forma podem prevenir atempadamente crises mais graves identificando as alturas de maior concentração de pólenes no ar e portanto tomar ou reforçar a terapêutica indicada pelo seu médico.

BOLETIM POLÍNICO de 24 a 30 de Junho de 2016:

(para actualizar clique aqui)

Para esta semana, prevêem-se níveis elevados a muito elevados de pólen na atmosfera de todo o Continente. No Arquipélago dos Açores esperam-se níveis moderados de pólen atmosférico e níveis baixos no Arquipélago Madeira.
Na atmosfera predominam os pólenes das ervas gramíneas e parietária e da árvore castanheiro.

Previsão por regiões:

Região de Trás-Os-Montes e Alto Douro

Previsão polínica:

Em Vila-Real (região de Trás-Os-Montes e Alto Douro), os pólenes encontram-se em níveis muito elevados. Na atmosfera predominam os pólenes das ervas gramíneas e da árvore castanheiro, seguidos pelo pólen da erva parietária.

Região de Entre Douro e Minho

Previsão polínica:

No Porto (região de Entre Douro e Minho), os pólenes encontram-se em muito elevados, com predomínio do pólen das ervas gramíneas, seguido pelos pólenes das ervas parietária e tanchagem e da árvore castanheiro.

Região da Beira Litoral

Previsão polínica:

Em Coimbra (região da Beira Litoral), os pólenes encontram-se em níveis muito elevados, com predomínio do pólen das ervas gramíneas, seguido pelos pólenes da erva parietária e da árvorecastanheiro.

Região da Beira Interior

Previsão polínica:

Em Castelo Branco (região da Beira Interior), os pólenes encontram-se em níveis muito elevados, na atmosfera predomina o pólen das ervas gramíneas.

Região de Lisboa e Setúbal

Previsão polínica:

Em Lisboa (região de Lisboa e Setúbal), os pólenes encontram-se em níveis elevados, com predomínio dos pólenes das ervas gramíneas e parietária.

Região do Alentejo

Previsão polínica:

Em Évora (região do Alentejo), os pólenes encontram-se em níveis muito elevados, em particular devido ao pólen das ervas gramíneas.

Região do Algarve

Previsão polínica:

Em Portimão (região do Algarve), os pólenes encontram-se em níveis elevados, na atmosfera predomina o pólen das ervas gramíneas.

Região dos Açores

Previsão polínica:

Em Ponta Delgada (região autónoma dos Açores), os pólenes encontram-se em níveis moderados, com predomínio dos pólenes das ervas gramíneas etanchagem e das árvores pinheiro e palmeira.

Região da Madeira

Previsão polínica:

No Funchal (região autónoma da Madeira), os pólenes encontram-se em níveis baixos, com destaque para os pólenes das ervas parietária egramíneas e da árvore eucalipto.

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

Publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

 

Fim da publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

Como proteger-se dos pólenes?

Consulte o Boletim Polínico:

Para saber as concentrações dos pólenes no ar ambiente (baixas/moderadas/elevadas), consulte o Boletim Polínico da SPAIC, disponível todo o ano na nossa página em: http://melhorsaude.org/alergias-recursos-uteis/alergias-a-polenes-recursos-uteis/

Programe as suas férias:

Para evitar o contacto com um pólen específico a que seja alérgico, programe as suas férias elegendo locais de baixas contagens polínicas (ex. neve, praia,…). Poderá saber a altura de polinização máxima pela consulta do Boletim Polínico.

Evite realizar actividades ao ar livre:

Evite realizar actividades ao ar livre quando as concentrações polínicas forem elevadas. Passeios no jardim, cortar a relva, campismo ou a prática de desporto na rua, irão aumentar a exposição aos pólenes e o risco para as alergias.

Mantenha as janelas fechadas:

Sempre que viajar de carro tenha as janelas fechadas. Assim poderá passear reduzindo significativamente o contacto com os pólenes. Os motociclistas deverão usar capacete integral. Em casa deverá manter as janelas fechadas quando as concentrações dos pólenes forem elevadas.

Use óculos escuros:

Uma forma eficaz e prática de evitar queixas oculares será a utilização de óculos escuros sempre que sair à rua.

Faça a medicação prescrita:

A medicação será a forma mais eficaz de combater os sintomas de alergia. Consulte um médico especialista de Imunoalergologia para o diagnóstico correcto e prescrição do medicamento mais adequado. A prevenção poderá passar pela realização de vacinas anti-alérgicas.

Publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

Fim da publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

Alergias a pólenes, Rinite e Asma

O que é a rinite?

A rinite é uma inflamação crónica da mucosa nasal com presença de um número aumentado de células inflamatórias, das quais as mais importantes são linfócitos, eosinófilos e mastócitos.

Qual o mecanismo bioimunológico da rinite?

A entrada na mucosa nasal de alergénios que se ligam ás IgE de superficie de mastócitos da mucosa nasal, induz a desgranulação destes mastócitos com libertação de mediadores inflamatórios como a histamina e os leucotrienos, entre outros, que vão induzir:

  • Obstrução nasal devido à vasodilatação que vai provocar o edema da mucosa dos cornetos nasais;
  • Rinorreia aquosa ou serosa devido ao aumento da permeabilidade nasal com exsudação plamática;
  • Prurido (comichão) nasal, ocular, palatino, orofaríngeo e até otológicos (ouvidos) e esternutos ( frequentemente salvas de 5 a 20 espirros seguidos ), devido a irritação das terminações nervosas nasais e pel aestimulação adicional de células calciformes do epitélio nasalcontribuindo para o agravamento da rinorreia aquosa ou sero-mucosa.

A esta fase aguda, dependendo da intensidade e da frequência de reexposição ao estímulo alergénico, segue-se uma fase sub-aguda e depois uma fase crónica, caracterizadas sobretudo pela infiltração de linfócitos e eosinófilos e que se traduz, do ponto de vista clínico, por uma predominância e persistência da obstrução nasal.

Qual a classificação da rinite?

Actualmente, tanto em adultos como em crianças, a rinite alérgica é classificada segundo o esquema proposto pelom programma ARIA (Allergic Rhinitis and its impact on asthma). Este esquema classificativo veio romper com a forma tradicional de classificar a rinite em perene e sazonal, tornando esta classificação mais próxima da que é utilizada na asma. A saber:

  • Intermitente ligeira;
  • Persistente ligeira
  • Intermitente moderada/grave
  • Persistente moderada/grave

Classificação da rinite alérgica melhorsaude.org

Porque se dá mais importância à asma?

De todas as doenças alérgicas que podem afectar a população, a asma tem merecido a atenção principal não só pelo seu impacto familiar, sócio-profissional e económico mas também pela deficiente qualidade de vida e risco de morte que pode condicionar quando não devidamente controlada.

Porque se dá menos atenção à rinite?

A rinite, alérgica ou não, não é uma doença que mata mas, como todos sabemos, mói – é uma doença sub-diagnosticada e sub-tratada e uma grande maioria dos doentes habituam-se a viver «constipados», a maior parte das vezes não procurando cuidados médicos, sejam do seu médico de família ou de um especialista.

Publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

Fim da publicidade melhorsaude.org melhor blog de saude

Qual a prevalência da rinite na população?

A rinite alérgica é  reconhecida como a doença alérgica mais frequente. Diversos estudos da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) têm demosntrado que mais de 25% da populaçãoPortuguesa apresenta queixas crónicas de rinite, à semelhança do que acontece noutros países.

Verifica-se que existe um pico de prevalência de cerca de 40% nos adolescentes e adultos jovens e que as queixas oculares concomitantes vão sendo mais frequentes com ao avançar da idade. Assim temos:

  • 3 – 5 anos
    • Rinite 20%
    • Rinoconjuntivite 10%
  • 15 – 25 anos
    • Rinite 40%
    • Rinoconjuntivite 18%
  • 15 – 64 anos
    • Rinite 25%
    • Rino conjuntivite 19%
  • 65 – 98 anos
    • Rinite 30%
    • Rinoconjuntivite 20%

Um estudo (RDR2000), com o objectivo de conhecer a prevalência da rinite em Portugal Continental no ano de 1998, revela que apenas 20% dos doentes com rinite procura o seu médico de Clínica Geral por queixas da doença e apenas 16% tinham sido observados em consultas de especialidade de Imunoalergologia.

Será a rinite um factor de risco para a asma?

No que diz respeito à asma, sabe-se que rinite e asma coexistem frequentemente e um estudo recente considera mesmo que a rinite é um fenómeno universal em doentes com asma alérgica ocorrendo em 99% de adultos e em 93% de adolescentes. Da mesma maneira, há estudos recentes que revelam que a asma aparece três vezes mais nos indivíduos com rinite do que naqueles que nunca tiveram sintomas nasais. Todos estes dados apontam para que a rinite seja considerada um factor de risco para a asma.

Rinite e asma partilham mecanismos comuns?

As duas entidades, rinite e asma, partilham mecanismos inflamatórios comuns que explicam o conjunto de sintomas que as caracterizam e todos estão de acordo, clínicos e investigadores, que é importante iniciar, o mais precocemente possivel o tratamento anti-inflamatório e o tratamento preventivo, evitando:

  • Os ácaros do pó de casa,
  • O pólen,
  • O fumo do tabaco,
  • Os ambientes poluídos, etc.

Será que o tratamento da rinite pode evitar o aparecimento de asma?

Sim, o tratamento da rinite com anti-histamínicos orais e corticosteróides de aplicação nasal e, em casos criteriosamente seleccionados, com vacinas anti-alérgicas, pode evitar o aparecimento da asma ou no caso dela já existir, melhorar os seus sintomas, evitar agudizações e reduzir a reactividade dos brônquios que caracteristicamente está aumentada.

Será que tenho rinite para além da minha asma?

O nariz reage sempre de maneira idêntica quer se trate de uma agressão vírica (a banal constipação) quer se trate de um alergénio (ácaros do pó de casa ou pólen), a saber:

  • Prurido nasal (comichão),
  • Espirros,
  • Rinorreia (nariz a pingar)
  • Obstrução (entupimento) nasal em maior ou menor grau.

A suspeita de rinite alérgica levanta-se quando este conjunto de sintomas surge repetidamente, o que pode acontecer ao longo do ano todo, como no caso da rinite alérgica perene, muitas vezes associada ao pó de casa como factor desencadeante, ou num período determinado do ano como é o caso da rinite alérgica polínica com sintomas predominantes em Maio e Junho, meses em que é maior a concentração de grãos de pólen de gramíneas, os mais frequentemente incriminados.

Como distinguir rinite de constipação ou resfriado?

A constipação banal, o resfriado comum, ocorre a maior parte das vezes nas transições de estação e no Inverno, duram 3 a 7 dias e em cada indivíduo, uma ou duas vezes por ano. O indivíduo que «anda sempre constipado» ou que, quando chega a Primavera arrasta «uma constipação» até ao Verão, deve procurar cuidados médicos. A estes sintomas de rinite, associam-se muitas vezes sintomas dos olhos (comichão, lacrimejo, intolerância à luz, vermelhidão), sendo esta associação mais frequente na rinite polínica.

Que complicações pode dar a rinite, se não tratada?

Embora o conjunto de todos os sintomas da rinite seja muito incomodativo e interfira negativamente nas actividades diárias dos doentes, a obstrução nasal é de longe o sintoma com mais consequências, a saber:

  • Perturba o sono, com uma fadiga anormal no dia seguinte, a
  • Tosse e irritabilidade brônquica (em alguns casos com o quadro típico de asma) que a respiração obrigatória pela boca acaba por condicionar.
  • Nas crianças, a obstrução nasal persistente leva a deformação do palato (vulgo «céu da boca») com anomalias nas arcadas dentárias e anormal implantação dos dentes, por vezes de correcção muito difícil.
  • A sinusite, processo inflamatório dos seios perinasais, complica cerca de metade dos casos de rinite alérgica, aumenta a susceptibilidade a infecções víricas e bacterianas e o conjunto de sintomas que a caracterizam, nomeadamente as dores de cabeça, as náuseas, as tonturas, o aparecimento de secreções nasais de difícil eliminação, complica ainda mais o dia-a-dia dos doentes.

Qual a eficácia dos fármacos mais utilizados na rinite alérgica?

Eficácia_terapêutica_dos_fármacos_na_rinite

Nota:  Esternutos é o termo médico para espirros.

Quais os degraus terapêuticos para o tratamento da rinite alérgica?

Terapêutica_para_rinite_alérgica

Conclusão

Assim, podemos concluir que há hoje evidência de que a rinite mal controlada pode conduzir a complicações que vão desde a sinusite à asma, passando pela otite média, por anomalias na implantação dos dentes e por perturbações do sono mais ou menos graves.

Fique bem!

Franklim A. Moura Fernandes

Por favor PARTILHE esta página

Esta importante informação para que possa chegar a muitos milhares de Portugueses que sofrem desta alergia ajudando a melhorar a sua qualidade de vida.

URTICÁRIA melhorsaude.org melhor blog de saude

ALERGIA ALIMENTAR 14 ALIMENTOS

AREA RESERVADA MELHORSAUDE.ORG MELHOR BLOG DE SAUDE