URTICÁRIA melhorsaude.org melhor blog de saude

ALERGIA E URTICÁRIA 2017: TUDO O QUE NÃO SABE!




Alergia e urticária 2017: Tudo o que não sabe! O que é uma alergia? E uma urticária? Qual a ligação entre alergia e urticária? Neste artigo vamos desenvolver as respostas sobre a urticária.

Neste artigo vamos responder ás seguintes questões:

  • Qual a anatomia da pele?
  • O que é uma alergia?
  • O que é uma urticária?
  • A urticária é contagiosa?
  • Qual a ligação entre alergia e urticária?
  • Qual o mecanismo da urticária?
  • Que tipos de urticária existem?
  • O que é a urticária aguda?
  • O que é a urticária crónica?
  • Quais as urticárias físicas?
  • Quais os tipos especiais de urticária?
  • Como se faz o diagnóstico?
  • Como evitar?
  • Quais os alimentos e aditivos comuns que podem provocar urticária?
  • Quais os medicamentos mais usados na urticária?
  • Quais os anti-histamínicos, corticoides e outros medicamentos?
  • Quais as dosagens e posologias utilizadas?

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

Qual a anatomia da pele?

Antes de mais é sempre útil saber como é constituida a anatomia da nossa pele. Cilque nas imagens  para ampliar:

Anatomia da pele melhorsaude.org melhor blog de saude

Anatomia da pele melhorsaude.org melhor blog de saude

Alergia, o que é?

Uma alergia é uma reação de hipersensibilidade, a estímulos externos, mediada pelo sistema imunitário, nomeadamente um tipo de anticorpo com uma importância central em todas as doenças alergicas, designado imunoglobulina E (IgE).

Alergia mecanismo melhorsaude.org melhor blog de saude

O que é a urticária?

A urticária não é uma doença mas sim uma sindroma comum, com lesões cutâneas afectando todas as faixas etárias, estimando-se que cerca de 20 a 30% da população, em algum momento da sua vida, tenha pelo menos um episódio de urticária. É caracterizada pelo rápido aparecimento de pápulas (lesões cutâneas ligeiramente elevadas em relação à pele sã), eritematosas (avermelhadas) algumas vezes esbranquiçadas na parte central, acompanhadas de prurido (comichão) ou por vezes sensação de queimadura, desaparecendo por breves segundos após pressão. Estas lesões desaparecem espontaneamente ou com terapêutica anti-histamínica, sem pigmentação residual num período de 24 horas podendo no entanto voltar a aparecer.

Urticaria crónica melhorsaude.org melhor blog de saude

Em alguns casos, o edema da derme profunda e sub-cutis pode ser tão importante que dá origem ao aparecimento de angioedema (inchaço), por vezes doloroso em alternativa a pruriginoso, com envolvimento frequente das mucosas, sendo a resolução mais lenta comparativamente à da urticária (até 72 horas).

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

A urticária é contagiosa?

Decididamente não é contagiosa. Podemos tocar, conviver e estar no mesmo ambiente de doentes com urticária sem nenhum risco de transmissão da doença.

Alergia e urticária, qual a ligação?

Algumas alergias podem provocar sintomas cutâneos com o aparecimento de urticária. São exemplos algumas alergias a alimentos e medicamentos ou seja a urticária é em alguns casos uma consequência da alergia. No entanto tal como vamos descrever neste artigo, existem inúmeras outras causas de urticária que não são do foro alérgico, como por exemplo causas inflamatórias e infecciosas.

Qual o mecanismo da urticária?

Após processo de activação dos mastócitos, pelo alergénio a que o indivíduo está sensibilizado, ou por outros mecanismos de natureza não alérgica, estas células existentes na pele e mucosas, libertam:

  • Histamina,
  • Citocinas.
  • Outros mediadores da inflamação.

Este processo dá início a uma série de alterações bioquímicas e intervenções celulares que culminam com o aparecimento e manutenção das lesões de urticária.

Urticaria desenho melhorsaude.org melhor blog de saude

Que tipo de urticárias existem?

De seguida descrevemos a classificação dos diferentes tipos que são muito mais diversos do que a maioria das pessoas julga, a saber:

a) Com aparecimento espontâneo de pápulas

b) Físicas

c) Especiais

OS MAIS PARTILHADOS melhorsaude.org melhor blog de saude

a) Urticária com aparecimento espontâneo de pápulas:

  1. Aguda
  2. Crónica

1. Urticária aguda – duração inferior a 6 semanas. Mais frequente em doentes com doenças atópicas como rinite, asma ou eczema atópico, e nas crianças e adultos jovens. São provocadas principalmente por:

  • Infecções virais,
  • Reacções a alimentos (principalmente em crianças)
  • Reacções a medicamentos (alérgicas ou pseudoalérgicas).

2. Urticária crónica – duração superior a 6 semanas, podendo estender-se em aproximadamente 50% dos casos até 6 meses, ou mesmo ter uma duração superior a 10 anos (20% dos casos). Afecta principalmente o sexo feminino, entre os 30 e os 50 anos de idade. As causas principais são:

  • Reacções alérgicas tipo I,
  • Reacções pseudoalérgicas,
  • Auto-imunidade (anticorpos antiFc_RI, anticorpos anti-tiroideus, outras doenças auto-imunes),
  • Infecções (virais, bacterianas),
  • Infestações por parasitas,
  • Gastrite,
  • Esofagite,
  • Inflamação da vesícula biliar,
  • Neoplasias (ex. linfomas).

2a. Urticária crónica contínua – frequência diária ou em quase todos os dias da semana

2b. Urticária crónica recorrente – intervalos livres de dias ou semanas sem sintomas

b) Urticárias físicas

  1. Dermográfica ou dermografismo
  2. Pressão retardada ou tardia
  3. Contacto ao frio
  4. Contacto ao calor
  5. Solar
  6. Angioedema vibratório

As urticárias físicas embora de natureza crónica, são agrupadas separadamente porque dependem da presença de um factor físico desencadeante e agrupam-se em três tipos, a saber:

1. Urticária dermográfica ou dermatografismo – desencadeada por fricção da pele (aparecimento de pápulas 1 a 5 minutos depois). Afecta principalmente adultos jovens. Duração média 6,5 anos.

2. Urticária de pressão retardada – desencadeada por pressão vertical (aparecimento de pápulas 3 a 8 horas depois). Média de idade de aparecimento é os 30 anos, afectando 2 vezes mais os homens. Duração média 6-9 anos.

3. Urticária de contacto ao frio – desencadeada por ar frio, água ou vento (9 sub-tipos descritos). Mais frequente em jovens do sexo feminino. Duração média 4,2 anos. Na maioria dos casos, de causa desconhecida embora algumas doenças infecciosas possam estar na origem, tais como:

  • Sífilis,
  • Borreliose,
  • Sarampo,
  • Varicela,
  • Hepatite,
  • Mononucleose infecciosa,
  • Infecção por HIV.

4. Urticária de contacto ao calor – esta é desencadeada por calor localizado.

5. Urticária solar – desencadeada por radiação UV ou luz visível. Mais frequente em adultos jovens do sexo feminino.

6. Urticária / angioedema vibratórios – desencadeada por forças vibratórias (ex. martelo pneumático)

c) Tipos especiais de urticária

  1. Colinérgica
  2. Adrenérgica
  3. De contacto (alérgica ou pseudo alérgica)
  4. Aquagénica

1. Urticária colinérgica – lesões muito pequenas com halo eritematoso, desencadeadas por breve aumento da temperatura corporal, como por exemplo:

  • Exercício físico,
  • Banho quente,
  • Stress emocional.

Frequente em adultos jovens.

2. Urticária adrenérgica – pequenas lesões eritematosas com halo esbranquiçado, desencadeadas por stress emocional.

3. Urticária de contacto (alérgica ou pseudoalérgica) – nesta há aparecimento de pápulas nos locais em que as substâncias químicas contactam a pele, por exemplo:

  • Alimentos,
  • Plantas,
  • Medicamentos,
  • Cosméticos,
  • Químicos industriais,
  • Produtos animais,
  • Têxteis.

4. Urticária aquagénica – desencadeada por um alergénio libertado do estrato córneo da pele, quando em contacto com a água. Cinco vezes mais frequente no sexo feminino, principalmente em adultos jovens.

Um ou mais subtipos de urticária podem coexistir num mesmo doente.

Como se faz o diagnóstico da urticária?

Nas formas agudas, habitualmente, não é necessário qualquer tipo de estudo, uma vez que a relação causa-efeito é na maioria das vezes evidente. Na urticária crónica, uma história clínica aprofundada é fundamental para orientar a investigação. O estudo complementar diagnóstico deverá ser direccionado.

Algumas ferramentas orientadas pela suspeição clínica, em muitos casos ajudam ao diagnóstico da urticária crónica. As principais são:

  • O diário de sintomas,
  • O registo alimentar,
  • Testes cutâneos de alergia,
  • Provas cutâneas específicas do diagnóstico de urticárias físicas,
  • Teste de soro autólogo,
  • Estudo laboratorial e imagiológico (radiografia, ecografia),
  • Provas de provocação com alimentos, medicamentos, ou aditivos alimentares,
  • Biópsia de pele,

Como evitar a urticária?

Algumas medidas podem ser úteis para aliviar o prurido, principalmente à noite: duche tépido e/ou aplicação de loção de calamina ou de creme anti-pruriginoso. É fundamental a hidratação cutânea com aplicação de emolientes, particularmente nas formas crónicas.

Embora os sub-tipos de urticária sejam desencadeados por uma grande variedade de factores, o tratamento da urticária segue alguns princípios básicos, tais como:

  1. Evitar (evicção) ou eliminar os factores desencadeantes  da urticária tais como:
  • Medicamentos,
  • Estímulos físicos,
  • Tratamento de infecções,
  • Processos inflamatórios crónicos,
  • Remoção de anticorpos anti-Fc_RI,
  • Alimentos.
  1. Minimizar os factores favorecedores de stress e ansiedade.

Quais os alimentos e aditivos que mais favorecem a libertação de histamina?

Os alimentos com maior probabilidade de provocar urticária são:

  • Atum, bacalhau e crustáceos,
  • Charcutaria, tal como chouriço e outros enchidos,
  • Frutos tais como:
    • banana,
    • morango,
    • kiwi,
    • frutos tropicais quase todos
  • Frutos secos,
  • Tomate,
  • Cogumelos,
  • Queijos fermentados,
  • Enlatados,
  • Pré-cozinhados,
  • Aromatizantes tais como cacau, baunilha, malte, cola
  • Especiarias
  • Edulcorantes, corantes, conservantes e activadores de aroma
  • Infusões:
    • café
    • chá
  • Gaseificados,
  • Álcool.

Quais os medicamentos mais usados na urticária?

Anti-histamínicos

Anti-histamínicos em monoterapia ou associados. Reservam-se os sedativos para situações clínicas muito particulares e os de aplicação tópica não deverão nunca ser utilizados pois agravam a urticária, por exemplo:

  • Dimetindeno (Fenistil®)
  • Difenidramina (Caladryl®)

A urticária provoca lesões cutâneas muitas vezes extensas que podem ser “portas de entrada” para absorção sistémica de anti-histamínicos de aplicação tópica. Estes anti-histamínicos são formulados para actuarem apenas localmente porque geralmente são móléculas da primeira geração de anti-histaminicos e portanto com mais efeitos secundários sistémicos que os seus “parentes” de 2ª geração, nomeadamente actuando sobre o sistema nervoso central e provocando acentuada sonolência.

De seguida descrevo os anti-histamínicos mais usados na urticária e as respectivas dosagens diárias para um adulto com peso normal

Os anti-histamínicos clássicos mais usados, tomam-se em regra, de 8 em 8 horas, por via oral, e são os seguintes:

  • Dexclorferinamina (Polaramine®) , 2mg/6-8h,
  • Hidroxicina (Atarax®), 25mg/8h.

Nota: Em Portugal existe um xarope chamado Sinerbe® que é uma associação de Dexclorferinamina (anti-histamínico) + Pseudoefedrina (descongestinante) + Guaiafenesina (fluidificante da expectoração) mas que naturalmente é utilizado apenas nos quadros clínicos com sintomas respiratórios, nomeadamente quando existe  simultaneamente congestão nasal com tosse produtiva.

Os anti-histamínicos de 2ª geração mais utilizados, tomam-se em regra, uma vez por dia, por via oral, e são os seguintes:

  • Loratadina (Claritine®), 10mg/dia;
  • Desloratadina (Aerius®), 5mg/dia;
  • Fexofenadina (Telfast®), 180mg/dia;
  • Cetirizina (Zyrtec®), 10mg/dia;
  • Levocetirizina (Xyzal®), 5mg/dia;
  • Mizolastina (Mizolen®), 10mg/dia;
  • Rupatadina (Rinialer®), 10mg/dia;
  • Ebastina (Kestine®), 10mg/dia;
  • Bilastina (Lergonix®, Bilaxten®), 10mg/dia.

Nota: A Bilastina (Lergonis® e Bilaxten®) é o anti-histamínico mais recente disponivel no mercado, em Portugal.

Em Portugal  os anti-histamínicos genéricos (menor preço) mais utilizados e disponíveis são os seguintes:

  • Desloratadina,
  • Cetirizina,
  • Levocetirizina,
  • Loratadina,
  • Ebastina.

Corticosteroides

Corticosteróides sistémicos injectáveis ou administrados por via oral em situações excepcionais, mas sempre acompanhados por terapêutica subsequente com anti-histamínicos em períodos prolongados para controlo clínico sustentado. Os corticoides mais utlizados são:

  • Prednisolona (Lepicortinolo®)
  • Prednisona

Anti-leucotrienos

Anti-leucotrienos representam em alguns doentes um benefício adicional, por exemplo:

  • Montelucaste (Singulair®), 10mg/dia, também disponivel em genérico.

Outros tratamentos

Outros tratamentos poderão ser utilizados em alguns casos particulares  mas sempre submetidos a estreita vigilância clínica. Os exemplos mais comuns são:

  • Imunoglobulinas endovenosas,
  • Salazopirina,
  • Ciclosporina A,
  • Dapsona,
  • PUVA

Concluindo

A urticária é uma patologia muito comum pois estima-se que 80% das pessoas a desenvolvam pelo menos uma vez na vida. Algumas crises de urticária são mais agressivas ou prolongadas prejudicando de forma significativa a qualidade de vida dos doentes. As lesões em zonas expostas podem ter um aspecto “assustador e contagioso” podendo levar algumas pessoas a sentirem-se socialmente mais inibidas nomeadamente nas situações desencadeadas por stress emocional. Conheça-se melhor a si própria e identifique os factores que particularmente lhe provocam uma reação de urticária. Evitar os factores desencadeantes é o melhor remédio!

Fique bem!

Fontes: Associação Portuguesa de Alergologia e Imunulogia Clínica (APAIC); Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. (INFARMED).

Por favor PARTILHE este artigo

OS MAIS PARTILHADOS melhorsaude.org melhor blog de saude

OS MAIS LIDOS