MEMÓRIA e alimentos melhorsaude.org

MEMÓRIA 2016: 7 ALIMENTOS E 4 DICAS FORTES

Memória e falhas de memória 2016: Alimentos e dicas para uma memória mais forte! Demência e Alzheimer…será que vai ter? Quais os sintomas e sinais de aviso? Como saber se as suas falhas de memória são preocupantes?

Neste artigo vou responder ás seguintes questões:

  • Quais os alimentos que potenciam a memória?
  • Qual a  possível causa da falta de memória?
  • O que é adenosina?
  • Como foi feito o estudo?
  • Qual a importância da descoberta?
  • Qual o papel da cafeína?
  • Quais as 4 formas comprovadas pela ciência que ajudam a memória?
  • Demência e Alzheimer: Quais os sinais precoces?
  • Quais os sintomas?
  • Quais as causas?
  • Quais os tratamentos?

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

Quais os 7 alimentos que potenciam a memória?

Uma dieta saudável ajuda a potenciar o cérebro, melhorando a memória e a capacidade mental. Um estudo publicado na revista Neurology procura explicar a relação que existe entre uma dieta saudável e a prevenção da perda de memória. Para os investigadores, uma dieta sã contém:

  • Grandes quantidades de verduras,
  • frutos secos,
  • Peixe,
  • Moderado consumo de álcool
  • Carnes vermelhas (com muita moderação).

Deixam uma lista de 7 alimentos que podem ajudar a alcançar o equilíbrio alimentar necessário.

Brócolos

Brocolos

Os brócolos são um “superalimento” muito fácil de encontrar em qualquer supermercado e que contém muitos nutrientes que contribuem para aumentar a longevidade. É um dos alimentos com mais nutrientes e só tem 30 calorias por prato.

Maçãs

Maça

Uma maçã só tem 50 calorias aproximadamente, mas é uma grande fonte de antioxidantes, fibra, vitamina C e potássio.

Mirtilos

Mittilos 3

Os mirtilos são conhecidos como superalimentos porque ajudam a controlar o colesterol. Além disso, todas os frutos do bosque, desde os morangos às framboesas, contêm grandes quantidades de antioxidantes.

Espinafres

Espinafres

 

Os espinafres são uma grande fonte de ferro. Além disso, um grupo de cientistas da Suécia descobriu recentemente que os componentes deste vegetal aumentam a eficiência da mitocôndria, que produz a energia das células humanas.

Espargos

Espargos 2

Os espargos são uma das melhores fontes de ácido fólico, que nos ajuda a manter longe das depressões. O ácido fólico é importante para a síntese da dopamina e serotonina, cruciais para o estado de ânimo.

Frutos secos

Alergia vs intolerância alimentar

Os frutos secos, em geral, são conhecidos pelas suas calorias altas, mas muitos estudos recomendam o seu consumo várias vezes durante a semana para prevenir doenças do coração. As amêndoas, em particular, contêm gorduras monoinsaturadas e fibras.

Quinoa

Quinoa

A quinoa contém uma boa dose de proteína que ajuda a formar os músculos. Qualquer grão que se inclua na dieta, desde a cevada até ao arroz, ajuda a perder peso, porque uma pessoa se sente cheia ingerindo poucas calorias.

Livros grátis melhorsaude.org melhor blog de saude

Descoberta possível causa para as falhas de memória

Uma equipa de duas dezenas de investigadores de Portugal, Holanda, Estados Unidos e China acaba de identificar o “possível responsável pelo surgimento de problemas de memória”, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

A equipa de investigadores daqueles quatro países descobriu que “os receptores A2A para a adenosina” têm “um papel crucial no surgimento de problemas de memória”, afirma a UC numa nota hoje divulgada.

Receptores A2 para a adenosina
Receptor A2 para a adenosina

 O que é a adenosina ?

A adenosina é a “molécula que funciona como sinal de stress no funcionamento de vários sistemas do organismo, especialmente no cérebro”.

Esta é uma “investigação sem precedentes”, sublinha a UC, adiantando que o estudo, envolvendo especialistas da Faculdade de Medicina e do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC, vai ser publicado no Molecular Psychiatry, “o mais importante jornal internacional da área da psiquiatria”.

A investigação, desenvolvida com “modelos animais (ratinhos) saudáveis”, permitiu verificar, pela primeira vez, que o funcionamento em excesso dos receptores A2A (“localizados na membrana dos neurónios”) é “suficiente para causar distúrbios na memória”, salienta a UC.

Receptor A2A para a adenosina
Receptor A2a para a adenosina

Como foi feito o estudo?

Para conseguir a máxima precisão na informação sobre o comportamento dos ratinhos durante as experiências, os especialistas de Coimbra envolvidos no estudo criaram “um dispositivo inovador para, através da utilização de uma técnica de opto-genética (técnica que não existe na natureza e que utiliza a luz para actuar e controlar ocorrências específicas em sistemas biológicos), activar este receptor de adenosina e controlar de forma única o comportamento dos circuitos neuronais”.

Assim, “no exacto momento em que os modelos animais desempenhavam as tarefas de memória, foi possível verificar, inequivocamente, que uma simples activação intensa do receptor A2A era suficiente para provocar danos no circuito e gerar problemas de memória”, explica Rodrigo Cunha, coordenador da equipa portuguesa.

Qual a importância desta descoberta ?

Esta descoberta é determinante para a Alzheimer, doença incurável caracterizada pela perda de memória, nomeadamente “para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento da demência mais comum”, sustenta Rodrigo Cunha.

“Se a simples activação do receptor A2A é suficiente para causar distúrbios na memória, é possível desenvolver bloqueadores selectivos deste receptor”, acrescenta aquele professor da Faculdade de Medicina de Coimbra.

Qual o papel da cafeína ?

O consumo de cafeína diminui a probabilidade de desenvolver Alzheimer e age sobre os recetores A2A (a cafeína liga-se aos recetores A2A )
O consumo de cafeína diminui a probabilidade de desenvolver Alzheimer e age sobre os recetores A2A (a cafeína liga-se aos recetores A2A )

“Os investigadores já sabem o caminho a seguir”, conclui Rodrigo Cunha, recordando que “seis anteriores estudos epidemiológicos (alguns europeus) distintos” já tinham confirmado que “o consumo de cafeína diminui a probabilidade de desenvolver Alzheimer e que age sobre os receptores A2A (a cafeína liga-se aos receptores e impede o perigo)”.

Os investigadores pretendem agora “desenhar moléculas químicas semelhantes à cafeína capazes de actuar exclusivamente sobre este receptor, impedindo-o de provocar danos na memória”, conclui Rodrigo Cunha.

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

Quais as 4 formas de melhorar a memória?

Comprovadas pela ciência

Uma pesquisa feita em 2013 mostrou que jovens adultos (com idades entre 18 e 34 anos) têm mais dificuldade do que pessoas com mais de 55 em lembrar-se de datas (15% vs. 7%), onde guardam as chaves (14% vs 8%), de fazer o almoço (9% vs 3%) e até de tomar banho (6% vs 2%).

De seguida descrevemos 3 formas de, comprovadamente, melhorar a sua memória, a saber:

1. Associe as suas memórias a objectos físicos
É provável que já lhe tenha acontecido o seguinte cenário:

– Acabou de ser apresentado a alguém e, assim que a pessoa vira as costas, você já esqueceu o nome dela e agora tem de passar pelo embaraço de lhe perguntar novamente o nome!

A dica é associar o nome a algum objecto. Por exemplo, se você acabou de conhecer a Maria e ela estava à janela janela, pense nela como a Maria da Janela. Parece um truque estúpido, mas funciona. E, claro, não só para nomes de pessoas, mas para qualquer coisa: relatórios, documentos, marcas. Associar conceitos a objectos ajuda bastante a nossa memória. E, claro, quanto mais absurdas forem as associações mais fácil é lembra-las.

2. Não memorize apenas por repetição
Quando assistimos a apresentações ou discursos públicos algumas vezes é muito claro quando alguém apenas decorou o texto do seu discurso. Mas basta acontecer alguma mudança no roteiro ou uma”branca” para que a pessoa se perca.

Memorizar algo de fato depende da compreensão do assunto em debate. Tente entender o conceito todo à volta do tema sobre o qual vai falar. Pesquisas mostram que apenas a repetição automática não chega e pode até impedir que entenda o que está a expor.

3. Tome notas escritas
Estudos indicam que rabiscar enquanto ‘ingerimos’ informações não visuais (em aulas, por exemplo) aumenta a capacidade da nossa memória. Uma pesquisa de 2009 mostrou que pessoas que rabiscavam enquanto ouviam uma lista de nomes lembravam-se de 29% a mais dos nomes ditos. Da próxima vez que for a uma palestra, leve uma caneta um bloco de notas e rabisque!

4. Dormir melhor

Dormir bem é um dos factores mais importantes para consolidar a nossa memória e um dos mais “mal tratados” por imensas pessoas! De facto é durante o sono que as memórias das nossas experiências diárias são detalhadamente organizadas como se fossem arrumadas nas respectivas “gavetas cerebrais” bem identificadas de forma a conseguirmos lembrar-nos rapidamente delas quando tal é necessário!

Se não temos a qualidade nem a quantidade de sono profundo necessárias então as memórias não são bem arrumadas e quando vamos abrir a tal “gaveta cerebral” ela não está lá porque ficou por arrumar ou foi arrumada na gaveta errada dando origem a uma branca!

Alzheimer melhorsaude.org melhor blog de saude

Alzheimer ou demência?

A Doença de Alzheimer é a forma mais comum de Demência, constituindo cerca de 50% a 70% de todos os casos.

Doença de Alzheimer: O que é?

Alzheimer melhorsaude.org melhor blog de saude

A Doença de Alzheimer é um tipo de demência que provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas, cujas principais são:

  • Memória,
  • Atenção,
  • Concentração,
  • Linguagem,
  • Pensamento.

Esta deterioração tem como consequência alterações ao nível de:

  • Comportamento,
  • Personalidade,
  • Capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida diária.

O nome desta doença deve-se a Alois Alzheimer, médico alemão que em 1907, descreveu pela primeira vez a doença.

À medida que as células cerebrais vão sofrendo uma redução, de tamanho e número, formam-se tranças neurofibrilhares no seu interior e placas senis no espaço exterior existente entre elas. Esta situação impossibilita a comunicação dentro do cérebro e danifica as conexões existentes entre as células cerebrais. Estas acabam por morrer e isto traduz-se numa incapacidade de recordar a informação. Deste modo, conforme a Doença de Alzheimer vai afetando as várias áreas cerebrais vão-se perdendo certas funções ou capacidades.

Quando a pessoa perde uma capacidade, raramente consegue voltar a recuperá-la ou reaprendê-la.

Alzheimer: 10 sinais de alerta precoce?Alzheimer melhorsaude.org melhor blog de saude

No começo são os pequenos esquecimentos, normalmente aceites pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. As pessoas com Doença de Alzheimer tornam-se confusas, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmas quando colocadas frente a um espelho

À medida que a doença evolui, tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão permanente, até mesmo para as atividades elementares do quotidiano como alimentação, higiene, vestuário, etc.

Muitas vezes, pode ser difícil perceber a diferença entre as mudanças características do envelhecimento e os primeiros sinais da Doença de Alzheimer. A perda de memória é uma característica natural do envelhecimento. Mas quando a perda de memória começa a perturbar a vida quotidiana da pessoa, já não estamos a falar de algo natural, mas sim daquilo que poderá ser um sintoma de demência.

Pergunte-se: Isto é algo novo

Por exemplo, se a pessoa nunca foi muito boa a passar um cheque, não há motivos para se preocupar se a pessoa tiver dificuldades em passar um cheque. Mas se a sua capacidade de passar um cheque mudou muito, é algo a partilhar com um médico

Algumas pessoas podem reconhecer mudanças em si mesmas antes que alguém se aperceba. Outras vezes, os amigos e a família serão os primeiros a observar as alterações na memória da pessoa, nos seus comportamentos ou capacidades. Para o ajudar, a Alzheimer Portugal criou esta lista de sinais de alerta para a Doença de Alzheimer e outras demências

Cada pessoa é um caso único e, por isso, pode ter um ou mais destes sinais em diferentes graus. Muitos dos sintomas da Doença de Alzheimer podem ser, também, sintomas de outras doenças como, por exemplo, depressão. Por isso, caso detete alguns destes sinais, consulte o seu médico de família.

Esta lista pode ajudá-lo a reconhecer os sinais de alerta da Doença de Alzheimer:

1. Perda de Memória

Um dos sinais mais comuns da Doença de Alzheimer, especialmente nas fases iniciais, é o esquecimento de informações recentes. Outros exemplos incluem o esquecimento de datas importantes ou eventos, repetir a mesma pergunta várias vezes, usar auxiliares de memória (por exemplo, notas, lembretes ou dispositivos eletrónicos) ou mesmo membros da família para as coisas que habitualmente se lembrava por si mesmo.

O que é normal?

Às vezes, esquecer-se de nomes ou palavras, mas recordá-los posteriormente.

2. Dificuldade em planear ou resolver problemas

Algumas pessoas podem perder as suas capacidades de desenvolver e seguir um plano de trabalho ou trabalhar com números. Podem ter dificuldade em seguir uma receita familiar ou gerir as suas contas mensais. Podem ter muitas dificuldades de concentração e levar muito mais tempo para fazer coisas que habitualmente faziam de forma mais rápida.

O que é normal?
Cometer erros ocasionais, por exemplo a passar um cheque.

3. Dificuldade em executar tarefas familiares

Pessoas com Doença de Alzheimer podem ter dificuldades em executar diversas tarefas diárias. Podem ter dificuldades em conduzir até um local que já conhecem, gerir um orçamento de trabalho ou em lembrar-se das regras do seu jogo favorito. A pessoa com Doença de Alzheimer pode ser incapaz de preparar qualquer parte de uma refeição, ou esquecer-se de que já comeu.

O que é normal?
Às vezes precisar de ajuda para gravar um programa de televisão ou deixar as batatas no forno e só se lembrar de as servir no final da refeição.

4. Perda da noção de tempo e desorientação

As pessoas com Doença de Alzheimer podem perder a noção de datas, estações do ano e da passagem do tempo. Podem ter dificuldades em entender alguma coisa, que não esteja a acontecer naquele preciso momento. Às vezes podem até esquecer-se de onde estão ou como chegaram até lá.

O que é normal?
Ficar confuso sobre o dia da semana em que se encontra, mas lembrar-se mais tarde.

5. Dificuldade em perceber imagens visuais e relações especiais

Para algumas pessoas, ter problemas de visão pode ser um sinal de Doença de Alzheimer. Podem ter dificuldades de leitura, dificuldades em calcular distâncias e determinar uma cor ou o contraste. Em termos de perceção, a pessoa pode passar por um espelho e achar que é outra pessoa, não reconhecendo a sua imagem refletida no espelho.

O que é normal?
Ter problemas de visão devido a cataratas.

6. Problemas de linguagem

As pessoas com doença de Alzheimer podem ter dificuldades em acompanhar ou inserir-se numa conversa. Podem parar a meio da conversa e não saber como continuar ou repetir várias vezes a mesma coisa. Podem ter dificuldades em encontrar palavras adequadas para se expressarem ou dar nomes errados às coisas.

O que é normal?
Às vezes ter dificuldade em encontrar a palavra certa para dizer alguma coisa.

7. Trocar o lugar das coisas

As pessoas com Doença de Alzheimer podem colocar as coisas em lugares desadequados. Podem perder os seus objetos e não serem capazes de voltar atrás no tempo para se lembrarem de quando ou onde o usaram. Às vezes, podem até acusar os outros de lhes roubar as suas coisas.

O que é normal?
Perder coisas de vez em quando, como não saber onde estão os óculos ou o comando da televisão.

8. Discernimento fraco ou diminuído

As pessoas com Doença de Alzheimer podem sofrer alterações na capacidade de julgamento ou tomada de decisão. Por exemplo, podem não ser capazes de perceber quando os estão claramente a enganar e ceder a pedidos de dinheiro, podem vestir-se desadequadamente ou mesmo não não ir logo ao médico quando têm uma infeção, pois não reconhecem a infeção como algo problemático.

O que é normal?
Tomar uma decisão errada de vez em quando.

9. Afastamento do trabalho e da vida social

As pessoas com Doença de Alzheimer podem começar a abandonar os seus hobbies, atividades sociais, projetos de trabalho ou desportos favoritos. Podem começar a demonstrar dificuldade em assistir a um jogo do seu clube até ao fim, como faziam antes, ou podem esquecer-se de acabar alguma atividade que começaram.

O que é normal?
Às vezes, sentir-se cansado do trabalho, da família, ou não lhe apetecer sair.

10. Alterações de humor e personalidade

O humor e a personalidade das pessoas com Doença de Alzheimer pode alterar-se. Podem tornar-se confusos, desconfiados, deprimidos, com medo ou ansiosos. Podem começar a irritar-se com facilidade em casa, no trabalho, com os amigos ou em locais onde eles se sintam fora da sua zona de conforto. Alguém com a Doença de Alzheimer pode apresentar súbitas alterações de humor, da serenidade ao choro ou à angústia,  sem que haja qualquer razão para tal facto.

O que é normal?
Desenvolver formas muito específicas de fazer as coisas e irritar-se quando a sua rotina é interrompida.

Concluindo

A nossa memória é de facto a nossa identidade! Deixamos de ser quem somos quando começamos a esquecer o que já fomos! Todos temos uma história mais ou menos interessante e as pessoas que nos acompanham na vida enriquecem a nossa novela de forma marcante. Uma das epidemias do século XXI será certamente o envelhecimento acentuado da população ocidental ou seja a dos países considerados “mais evoluidos”! Mas será mesmo que somos assim tão evoluidos? No que concerne há saúde da memória parece que não…vamos mesmo a caminho de bater um recorde de “demência colectiva” com casos alarmantes a começar bem mais cedo do que o previsto e taxas de demência e doença de Alzheimer impressionantes! Basta refletir neste número: O Alzheimer é em 2016 a 6ª causa de morte nos Estados Unidos da América!

Mas como podemos proteger-nos? A ciência e a história não deixam dúvidas… uma “memória de elefante” está habitualmente ligada a uma alimentação simples mas saudável, exercício fisico frequente e estímulo intelectual com convívio social saudável ou seja aquele em que em vez de estarmos longas horas e dizer mal de alguém ou a queixarmo-nos da nossa “má sorte” aproveitarmos o tempo para aprender alguma coisa que gostamos e moldamos o trilho da nossa história pessoal. O convívio com amigos bem humorados também pode fazer milagres!

Por favor…proteja-se já e se for necessário e conseguir “mude de vida”…!

Fique bem!

Franklim M. Fernandes

Por favor PARTILHE esta informação e fique na memória de muitas pessoas! Juntos por uma Melhor Saúde!

 

 Outros artigos de interesse:Alzheimer melhorsaude.org melhor blog de saude