ANTICONCEPCIONAL PILULA GUIA 2017: TUDO O QUE NÃO SABE

Anticoncepcional pilula guia 2017: Tudo sobre como tomar o anticoncepcional? Qual o melhor anticoncepcional? Quais os riscos da pilula? Quais as diferenças entre as diversas pílulas?

Siglas e simplificações utilizadas neste artigo:
  • COs – Contraceptivos Orais
  • COCs – Contraceptivos Orais Combinados
  • COPs – Contraceptivos Orais Progestagénicos
  • COE – Contracepção Oral de Emergência ( pílula do dia seguinte )
  • Pílula – Contracepção oral
Neste artigo vou responder ás seguintes questões:
  • O que são os contraceptivos orais combinados?
  • O que são os contraceptivos orais progestagénicos?
  • Quais as pílulas mais eficazes?
  • Quais os avanços verificados na contracepção oral?
  • O que são as minipílulas?
  • Quais as dosagens das minipílulas?
  • Quais os riscos das minipílulas?
  • Que tipos de progestagénios existem?
  • Quais as principais pílulas comercializadas em Portugal?
  • Qual o risco de gravidez ectópica em mulheres a tomar a pílula?
  • Contracepção oral de emerrgência (COE) mais conhecida por “pílula do dia seguinte”, o que é e como actua?
  • Qual a eficacia da pílula do dia seguinte? É segura?
  • Quais os riscos da pílula do dia seguinte?
  • A COE altera o dia em que surge a menstruação?
  • Quais os COEs disponiveis no mercado?
  • A Pílula e a diabetes, quais os riscos?
  • A Pílula e as doenças autoimunes, quais os riscos?
  • A Pílula e a dislipidémia, quais os riscos?
  • A Pílula e as enxaquecas, quais os riscos?
  • A Pilula e a epilépsia, quais os riscos?
  • A Pílula e a Hipertensão Arterial, quais os riscos?
  • A Pílula na doença cardiovascular, quais os riscos?
  • A Pílula e a menopausa, quais os riscos?
  • A Pílula e a adolescência, quais os risco?
  • A Pílula e a amamentaçãp, quais os riscos?
  • Contracepção oral e puerpério, quais os riscos?
  • Como retardar a menstruação com a toma da pílula?
  • Quais as situações que justificam, medidas contraceptivas adicionais?
  • Após a toma da “pílula do dia seguinte” quando se deve iniciar a toma do contraceptivo oral?
  • Quais os medicamentos e outros que podem diminuir a eficácia da pílula?


Anticoncepcional: Que tipos de pílula existem?

Existem imensas pílulas contraceptivas no mercado mas afinal qual é a melhor? Qual a mais eficaz? Qual a que apresenta menos riscos? E a “pílula do dia seguinte”? É realmente eficaz? Quais os riscos? Como tomar?

Por parte de muitas mulheres existem imensas dúvidas recorrentes sobre a contracepção oral e de emergência. Este guia foi elaborado para responder a todas as dúvidas que possam surgir e desta forma contribuir para tranquilizar as mulheres e ajuda-las a fazer a melhor escolha para o seu caso… e cada caso é um caso!

Têm vido a surgir novas formulações e novos sistemas de libertação hormonal, com vista quer ao aumento da eficácia contraceptiva quer à redução dos efeitos secundários e melhoria da adesão à toma evitando uma gravidez não desejada.

A contracepção hormonal oral é o método mais utilizado pelas mulheres portuguesas. Embora existam alguns efeitos adversos associados à toma de contraceptivos orais (CO), estes têm vindo a ser minorados, com  o aparecimento de pílulas com cerca de metade da dose de estrogénios e de pílulas cujo único princípio activo é um progestagénio, e que não apresentam os efeitos secundários associados aos estrogénios.

No entanto, a pílula  é ainda  hoje muitas vezes mal  utilizada, motivo que leva ao recurso à contracepção oral de emergência (COE), mais conhecida como pílula do dia seguinte.

A contracepção hormonal oral é o método mais utilizado pelas mulheres portuguesas. Embora existam alguns efeitos adversos associados à toma de contraceptivos orais (CO), estes têm vindo a ser minorados, com  o aparecimento de pílulas com cerca de metade da dose de estrogénios e de pílulas cujo único princípio activo é um progestagénio, e que não apresentam os efeitos secundários associados aos estrogénios.

Contraceptivos orais combinados (COC): O que são?

Os Contraceptivos Orais Combinados (COC) são caracterizados por terem na sua composição 2 hormonas diferentes – estrogénio e progestagénio.

As doses e tipo de estrogénio e progestagénio utilizado  variam com o medicamento. Estes COs são denominados de baixa dosagem ou de dosagem normal consoante a dose de estrogénio que contêm.

São os contraceptivos orais mais eficazes porque inibem a ovulação  de forma constante em cerca de 90 a 95% dos ciclos menstruais, tendo  sido descrita uma taxa de falha de apenas 0,3% no primeiro ano de toma,  quando tomados correctamente.

Os COCs, além  de inibirem a ovulação, exercem igualmente uma acção  ao nível do espessamento do muco cervical, o que dificulta o percurso dos espermatozóides até à trompa de Falópio.

Os COCs podem ser de 3 tipos, consoante as doses das hormonas sejam fixas ou variáveis, ao longo do ciclo menstrual:

  • Monofásicos

    Com estrogénio e progestagénio em doses fixas. Tomam-se durante 21 dias consecutivos a que se segue, habitualmente, um intervalo livre de 7 dias.

  • Bifásicos

    Contêm um progestagénio ao qual se associa o etinilestradiol, assegurando uma fase estrogénica durante os primeiros 7 dias, seguida de uma fase progestagénica até ao final da toma.

  • Trifásicos

    Contêm quantidades variáveis de hormonas (etinilestradiol e um progestagénio) para serem tomadas ao longo do ciclo, variando a concentração sobretudo de progestagénios. Têm um predomínio inicial de estrogénios tentando assim, mimetizar o ciclo hormonal normal.

7 DORES EBOOK GRÁTIS melhorsaude.org melhor blog de saude

Contraceptivos orais progestagénicos (COP): O que são?

Os Contraceptivos Orais Progestagénicos (COPs) são apenas constituídos por um progestagénio, em dose inferior à presente nos COCs. Por este motivo, não  inibem  consistentemente a ovulação  a qual ocorre em apenas cerca de 50% dos ciclos, impedindo, a gravidez maioritariamente por espessamento do muco cervical. Habitualmente são de toma contínua não existindo qualquer interrupção na toma durante o ciclo menstrual (ver tabela 1).

Qual a eficácia comparativa entre COPs e COCs?

Existe o conceito de que as pílulas progestagénicas são menos eficazes do que as combinadas. No entanto, não existem estudos conclusivos sobre a eficácia  comparativa entre os COCs e os COPs, sendo que, na sua maioria, a eficácia falha por factores externos aos medicamentos em si.

O que assegura que os COPs apresentem uma eficácia comparável à dos COCs?

Nos COPs a eficácia é assegurada cumprindo as seguintes regras:

  • O COP deve ser tomado todos os dias à mesma hora
  • A relação sexual deve ocorrer entre as 3 e as 22h após a toma.

Que avanços se verificaram na contracepção oral?

Os avanços verificados têm como principais objectivos minorar os efeitos secundários associados aos estrogénios e de permitir uma  maior eficácia  contraceptiva, a saber:

  • A diminuição da dose de estrogénios (pílulas de baixa dosagem),
  • Recurso a novos progestagénios
  • Novos sistemas de libertação hormonal

Quais as dosagens utilizadas nas minipílulas?

As pílulas de baixa dosagem ou minipílulas contêm na sua formulação etinilestradiol em doses que variam entre 15 e 25 µg (microgramas) por comprimido, enquanto as restantes pílulas possuem entre 25 e 35 µg por comprimido.

Colesterol melhorsaude.org melhor blog de saude

Minipílula quais os riscos?

Uma vez que os efeitos adversos estão maioritariamente associados às doses de hormonas presentes, é de esperar que  neste tipo de COs, sejam menores e ocorram com menor frequência.

No entanto, embora esteja provada uma  redução do risco de tromboembolismo venoso, continuam a ocorrer eventos cardiovasculares graves, embora raros, associados à toma  de COs de baixa dosagem, particularmente em mulheres fumadoras, com mais de 35 anos, com enxaquecas ou outras situações de risco cardiovascular.

Diversos estudos continuam a demonstrar a ocorrência de efeitos graves em mulheres que tomam as pílulas de baixa dosagem, nomeadamente a nível cardiovascular.

Em relação às mulheres que não fazem qualquer tipo de contracepção hormonal, as mulheres que tomam as pílulas modernas correm os seguintes riscos:

  • Tromboembolismo venoso – risco 4 vezes superior
  • Acidente vascular isquémico – risco 2,3 vezes superior
  • Enfarte agudo do miocárdio – risco 2 vezes superior

Estas dimensões, como já vimos atrás, ainda se podem tornar mais elevadas se se considerarem mulheres fumadoras, com mais de 35 anos, a sofrerem de enxaquecas ou a apresentarem outros factores de risco cardiovascular.

Progestagénios que tipos existem?

Os progestagénios são agrupados em 4 gerações, independentemente de fazerem parte da composição de um COC ou de um COP. Esta classificação deve-se unicamente  à cronologia de  aparecimento  no mercado, não existindo qualquer relação com a estrutura química  ou acção farmacológica, os mais importantes são:

  • 1ª geração – noretindrona, a noretisterona, o noretinodrel, o etinodiol e o linestrenol;
  • 2ª geração – levonorgestrel e o norgestrel;
  • 3ª geração – desogestrel, e o seu metabolito activo etonogestrel, o norgestimato, e o seu metabolito activo norelgestromina, e o gestodeno;
  • 4ª geração – ciproterona, drospirenona, cloromadinona e o dienogest

Progestagénios

Linha de evolução dos progestagénios

Progestagénios: Quais os mais utilizados?

Os progestagénios mais utilizados são os seguintes:

  • Levonorgestrel ( alguma actividade androgénica )
  • Desogestrel ( sem actividade androgénica )
  • Gestodeno ( sem actividade androgénica )
  • Ciproterona ( actividade anti-androgénica )
  • Drospirenona ( actividade anti-androgénica )
  • Cloromadinona ( actividade anti-androgénica )

Progestagénios, como  o levonorgestrel, conferem uma  certa acção  androgénica, para além  da sua actividade progestagénica. É esta actividade androgénica a responsável pela maioria dos efeitos adversos.

A procura de COs mais eficazes e com menos efeitos secundários, levou ao aparecimento de progestagénios, praticamente destituídos de actividade androgénica, como  o desogestrel e o gestodeno. Actualmente já existem progestagénios com actividade anti-androgénica como a ciproterona, a drospirenona e a cloromadinona.

Gravidez ectópica: Qual o risco em mulheres a tomar COP ou COC?

Em caso de falha do CO com consequente fertilização de um óvulo, o espessamento do muco cervical diminui a mobilidade do óvulo fertilizado na trompa de Falópio, aumentando o risco de gravidez ectópica.

Os COCs inibem a ovulação, em cerca de 90 a 95% dos ciclos, são por isso contraceptivos eficazes, reduzindo o risco de gravidez ectópica. Os COPs actuam maioritariamente por espessamento do muco  cervical não inibindo a ovulação  de forma tão eficaz (ocorre em apenas cerca de 50% dos ciclos), sendo o risco de gravidez ectópica maior.

Quais os principais contraceptivos orais comercialiazados?

Na tabela seguinte descrevem-se as principais apresentações qualitativas ( móleculas utilizadas ) e quantitativas ( dosagens ) comercializadas em Portugal:

Tabela dos principais COs comercializados em Portugal

Tabela dos principais COs comercializados em Portugal

Contracepção Oral de Emergência (COE) mais conhecida por pílula do dia seguinte

A contracepção oral de emergência tem passado por desenvolvimentos nos últimos anos, tendo muito recentemente surgido uma nova opção terapêutica, que aumenta para 5 dias o intervalo de tempo em que se pode recorrer a este método.

O que é e como actua a pílula do dia seguinte?

A contracepção oral de emergência (COE) é um método destinado  a evitar uma  gravidez não desejada após uma  relação sexual em que não existiu recurso a contracepção ou na qual a mesma falha. Constitui uma  segunda linha na prevenção primária da gravidez não desejada.

A toma  do COE deve ocorrer o mais cedo possível após a relação  sexual não protegida ou inadequadamente protegida.

Pílula do dia seguinte: Como actua?

A pilula do dia seguinte actua e é eficaz por exercer a sua acção por diversas vias, a saber:

  • Sobre a ovulação, atrasando ou inibindo a libertação do óvulo,
  • Sobre a fertilização impedindo o espermatozóide de atingir o óvulo,
  • Por espessamento do muco cervical,
  • Sobre a nidação através de alterações do endométrio, impossibilitando a implantação do ovo na parede do útero.

Pílula do dia seguinte: É segura?

A Contracepção Oral de Emergência ( COE ) pode ser utilizada com segurança por qualquer mulher,  mesmo quando há contra-indicações para a toma de COs.

  • Após a toma da COE a mulher pode engravidar em qualquer altura, caso não utilize nenhum método contraceptivo,
  • A COE apenas previne uma gravidez decorrente de relações sexuais ocorridas antes da toma e nunca nos casos em que estas ocorrem subsequentemente,
  • Não é efectiva se a mulher já estiver grávida.

Quais os efeitos secundários associados à pílula do dia seguinte?

Após  a  toma   do  COE  podem  surgir  maioritariamente:

  • Náuseas e vómitos, mas pouco  frequentes, surgindo em  apenas 20% dos casos. Para minorar estes efeitos aconselha-se  a  toma   do  comprimido  com
  • Pode também surgir perda de sangue alguns dias após a toma do COE.
  • Num número reduzido de mulheres pode acontecer tensão mamária,
  • Dores de cabeça,
  • Tonturas,
  • Dor abdominal,

Na maior parte dos casos, esta sintomatologia desaparece sem necessidade de tratamento.

A pílula do dia seguinte altera a altura em que surge a menstruação?

Após a utilização da COE, a menstruação surge na altura esperada, no entanto em algumas mulheres pode surgir antes do tempo. Caso exista um  atraso superior a uma semana, deve  ser realizado um  teste de  gravidez visto que a COE pode ser falível.

A referenciação  para o  médico   recomenda-se caso a mulher apresente queixas de  hemorragias irregulares associadas a dores abdominais (suspeita de gravidez ectópica) ou quando a menstruação está atrasada por mais de uma  semana (suspeita de gravidez).

Pílula do dia seguinte: Pode pode ser utilizada fora do período fértil?

Dado que  existem oscilações da altura da ovulação, mesmo em mulheres com menstruações muito  regulares, na prática é muito  difícil determinar com exactidão o intervalo de tempo  em que ocorre o período  fértil.

O facto de a mulher não se encontrar no seu período fértil, não  constitui uma  contra-indicação à  toma  de  COE, sendo importante  avaliar o estado de  ansiedade  relativa à perspectiva de uma  gravidez  indesejada de forma a permitir um melhor aconselhamento e optar ou não pela dispensa da COE.

Quais as pílulas do dia seguinte disponíveis?

Existem actualmente  alternativas terapêuticas diferentes em  que  a  COE pode  ser feita  até  às 72 h após relação sexual desprotegida ou  inadequadamente protegida   e,  recentemente disponível,  em  que  a  eficácia é comprovada  até  ao  5º dia,  mais  precisamente  até  às 120 h após relação sexual desprotegida ou inadequadamente protegida.

Pílula do dia seguinte
Pílulas do dia seguinte disponiveis no mercado

EBOOKS + ARTIGOS EM PDF + VIDEOS + 100 RECURSOS

Por vezes, num minuto, encontramos uma informação tão preciosa que muda a nossa vida e saúde de forma extraordinária!

You have Successfully Subscribed!

PÍLULA RISCOS MELHORSAUDE.ORG

Diabetes: Qual a influência da pílula?

Os COs podem interferir com o metabolismo da glucose. Em geral, quanto maior for a dose do progestagénio, maior será a alteração no metabolismo da glucose. Pensa-se que:

  • Os estrogénios podem diminuir a tolerância à glucose,
  • Os progestagénios são responsáveis por um aumento da secreção de insulina que pode levar ao aumento da insulino-resistência.

Há estudos que concluem que os COPs podem apresentar um  melhor perfil de segurança, interferindo menos nos níveis de glicemia, quando comparados com os COCs.

Ainda, sendo a diabetes um factor de risco para a doença cardiovascular, é aconselhada a toma  de COPs, caso a mulher não deseje ou não possa optar por outro método contraceptivo. No caso da diabetes bem controlada e em que não existem  lesões vasculares, podem utilizar-se os COCs devendo preferir-se os COcs de 3ª geração.

Assim, para mulheres com diabetes tipo 1 ou tipo 2, bem controlada, o recurso quer aos COCs quer aos COPs é aparentemente seguro e não parece ter qualquer efeito quer a curto quer a longo prazo no controlo da diabetes.

Nas diabéticas com  complicações associadas ou diabetes de longo termo (diagnosticado há mais de 20 anos), os COPs são considerados mais seguros do que os COCs.

Doenças autoimunes: Qual a melhor pílula?

Nas doenças auto-imunes, é de grande importância o planeamento da gravidez, não só pelos riscos que  a terapêutica instituída pode acarretar para o feto, como também para preservar a saúde da mãe,  escolhendo a fase de evolução  da doença mais propícia para que a gravidez ocorra.

Neste tipo de patologias, todos os métodos contraceptivos não hormonais são aconselhados. Sendo as doenças autoimunes muito heterogéneas, a resposta da  doença aos COs varia consoante  a patologia em causa, por exemplo:

  • Os COCs podem agravar o Lúpus Eritematoso Sistémico, a Púrpura Trombocitopénica e  a  miastenia  Gravis,
  • Os COCs podem contribuir para a melhoria da artrite reumatóide,
  • Os COCs não exercem qualquer efeito na Esclerose múltipla  ou Doença  auto-imune da Tiróide.

Dislipidémia: Qual a influência da pílula?

A maioria dos COs afecta os parâmetros lipídicos – colesterol LDL e HDL e também os trigicerídeos. Os estrogénios aumentam o HDL e triglicerídeos e diminuem o LDL. No caso dos progestagénios, o aumento do HDL depende do tipo de progestagénio utilizado.

Colesterol alto: Qual a melhor pílula?

As formulações com  etinilestradiol combinado com progestagénios mais recentes como o desogestrel e gestodeno, devido à menor actividade androgénica destes, apresentam um  melhor  perfil lipídico,  verificando- se um  aumento  significativo dos níveis de HDL, diminuição significativa dos níveis de colesterol LDL, apenas pequenas alterações dos níveis de colesterol total  e um aumento dos triglicerídeos menos acentuado do que  com  os que  contêm progestagénios  com  uma  acção  androgénica  mais  marcada (levonorgestrel e norgestrel).

Assim são considerados os COs com melhor perfil de indicação para mulheres com dislipidemia as pílulas com  etinilestradiol combinado com progestagénios mais recentes como o desogestrel e gestodeno.

Colesterol melhorsaude.org melhor blog de saude

Contracepção oral e de emergência no caso de enxaquecas e risco de AVC

Vários estudos efectuados em  mulheres com  enxaqueca, a tomar COs, sugerem um aumento do risco de AVC (Acidente Vascular Cerebral).

No entanto, esses mesmos estudos indicam que o grau de risco varia consoante o tipo de enxaqueca. Assim, o risco é maior no caso de enxaqueca com aura quando comparado com enxaqueca sem aura. Este facto deve-se provavelmente à existência de alterações isquémicas associadas à aura.

Dado que, à partida, a utilização de COcs representa um factor de risco aumentado de AVC e tromboembolismo venoso, existe uma preocupação acrescida relativa à toma de COcs no caso de enxaqueca.

De acordo com a OMS, o risco de mulheres com enxaqueca a tomar COCs, terem um AVC isquémico é cerca de 2 a 4 vezes maior do que nas que têm enxaqueca mas não tomam COCs.

É, por isso, fundamental conhecer o tipo de enxaqueca em causa, o que determina a escolha mais adequada do Contraceptivo Oral ( CO ), principalmente no caso de se tratar de Contraceptivos Orais Combinados ( COCs ). Em caso de risco acrescido deve ponderar-se o recurso a COPs ou, em alternativa, a outro método contraceptivo, que não o oral hormonal.

Para as mulheres que têm enxaqueca sem aura, o risco de AVC é relativamente pequeno e comparável ao das mulheres sem enxaqueca. Em mulheres a fazer terapêutica para a enxaqueca com  derivados da ergotamina, a toma  de COCs está contra-indicada.

ENFARTE E AVC EBOOK GRÁTIS melhorsaude.org melhor blog de saude

Epilépsia: Qual a melhor contracepção?

Os métodos contraceptivos de eleição na epilepsia são, o DiU (Dispositivo intra Uterino) ou o SiU (Sistema intra Uterino com libertação hormonal) dado  que  são inertes a nível sistémico não interferindo com a restante medicação.

Caso a opção  recaia na contracepção oral, os COCs e COPs apenas estão contra-indicados, por redução da sua eficácia, nos casos em  que  a terapêutica antiepiléptica instituída seja indutora das enzimas hepáticas, o que acontece no caso de estar a tomar os seguintes medicamentos:

  • Carbamazepina,
  • Oxicarbamazepina,
  • Fenobarbital,
  • Fenitoína,
  • Primidona,
  • Topiramato,
  • Vigabatrim.

No caso de terapêutica com valproato de sódio, as mulheres podem utilizar qualquer Contraceptivo Oral ( CO ).

Hipertensão arterial (HTA): Qual a melhor pílula?

Os métodos contraceptivos de eleição no caso da HTA são, o DIU ou o SIU com libertação hormonal. No entanto, apenas a HTA mal controlada contra-indica a toma de COs.

Assim, no caso de HTA bem controlada ou em fase inicial, pode ser indicada a toma  de COcs. Nestes casos, deve  ser dada preferência a pílulas de baixa dosagem, com gestodeno ou desogestrel, que apresentam a vantagem de contribuir para um bom perfil lipídico, ou a associação de etinilestradiol e drospirenona em virtude do seu efeito anti-mineralocorticóide.

O recurso a COCs em mulheres com mais de 35 anos, em que o risco cardiovascular está aumentado, deve ser bem ponderado. Quanto  aos COPs, constituem uma  alternativa nos casos em que a HTA decorre da administração de COCs.

Doença cardíaca ou doenças vasculares: Qual a melhor pílula?

Os COPs são a primeira escolha em  caso de doença cardíaca. Os COCs estão contra-indicados, apenas quando existe um risco vascular associado, como  no caso da doença cardíaca isquémica ou doença valvular complicada como  endocardite, fibrilhação ou hipertensão pulmonar.

A toma  de COs na insuficiência venosa não  apresenta qualquer contra-indicação. Apenas está contra-indicada a toma de COCs, em caso de tromboembolismo venoso  ou arterial. Os COPs, que podem  ser  usados em doentes com antecedentes de tromboembolismo venoso são, apesar disso a última escolha em  caso  de  tromboembolismo activo  ou recente sendo de preferir o DIU ou o SIU com libertação hormonal, nesta fase.

Fumadoras: Qual a melhor contracepção?

O tabagismo contribui, decididamente, para  o aumento do risco de complicações cardiovasculares. Consideram-se fumadoras mulheres que  consomem 15 a 20 cigarros por dia.

Assim, mulheres fumadoras com idade  superior a 35 anos  não devem  tomar COs. Antes dos 35 anos,  o facto de a mulher fumar é uma contra-indicação relativa à toma  de COs. Os métodos contraceptivos de eleição para  a mulher  fumadora são,  por  isso,  preferencialmente todos  os métodos não hormonais.

Menopausa: Qual a melhor contracepção?

Na perimenopausa, desde que não haja contra-indicações, podem  ser  utilizados todos  os tipos  de COs, assim como qualquer tipo de método contraceptivo. A escolha deve ser feita  com  base nas  características individuais  da  mulher (factores de  risco  cardiovascular, patologias associadas, tabagismo, etc).

Caso os COCs sejam apropriados, são  de preferir por apresentarem as seguintes vantagens:

  • Maior eficácia  contraceptiva,
  • Menor rigor na  toma,
  • Melhoram a sintomatologia vasomotora,
  • Melhoram o humor,
  • Menor risco de ocorrência de hemorragias intra-cíclicas.

Os contraceptivos hormonais combinados, nas  suas 3 formas – oral,  transdérmica  ou vaginal – podem  ser  utilizados até à menopausa, sendo de preferir aqueles que têm  uma  dose de etinilestradiol ≤ 30µg e uma  dose baixa de noretisterona ou levonorgestrel, por apresentarem um menor risco cardiovascular.

Quanto à altura ideal para concluir a toma de COs, aquando da menopausa, é recomendado o doseamento da FSH (hormona folículo estimulante) durante a pausa da toma  de COCs (entre o 5º e o 7º dia) ou em qualquer altura do ciclo menstrual caso esteja a tomar COPs.

Este doseamento é recomendado a partir dos 50 anos ou antes, caso exista sintomatologia vasomotora marcada, os denominados “afrontamentos”, e repetido anualmente até à menopausa. Caso o valor do doseamento seja ≥ 40 mg/L pode interromper-se o contraceptivo, se for < 40 mg/L deve continuar e reavaliar a situação ao fim de um ano.

Adolescência: Qual a melhor contracepção?

Nesta fase em que, muitas vezes, se dá o início da actividade sexual, é importante que sejam adoptadas medidas que permitam uma contracepção o mais segura, simples e eficaz possível. Assim, os COs geralmente recomendados são os COCs. É fundamental sensibilizar para a importância de associar, a utilização do preservativo, como única forma de prevenir as doenças sexualmente transmissíveis, sendo uma altura em que muitas vezes as relações são mais efémeras e a percepção dos riscos está menos presente.

Amamentação: Qual a melhor pílula?

Na amamentação a primeira escolha recai sobre os contraceptivos hormonais progestagénicos, COP, (sob a forma oral, implante subcutâneo ou injectável)  por não influenciarem a qualidade e quantidade do leite materno.

Os COPs têm  ainda  a vantagem de permitir uma  mudança mais rápida para o método contraceptivo subsequente, dado que basta suspender a toma  do COP e iniciar a toma do CO seguinte. A contracepção oral deve ser iniciada  entre a 4ª e a 6ª semana após o parto. Também os COCs podem ser utilizados, embora nunca como primeira escolha até os 6 meses após o parto.

Pós-parto (puerpério): Qual a melhor contracepção?

O puerpério é o período de 6 a 8 semanas pós-parto durante o qual o seu corpo sofre uma série de alterações para retornar ao estado pré-gravidez.

Quando a mulher não está a amamentar, os COCs apenas estão contra-indicados nas primeiras 3 semanas após o parto, por existir um estado de hipercoagulabilidade, que  aumenta o risco cardiovascular associado à toma  de COCs. A partir daí pode ser utilizado qualquer método contraceptivo.

Caso tenha ocorrido diabetes gestacional, desde que  os parâmetros analíticos estejam controlados, não existe qualquer contra-indicação à toma de COs. No entanto, neste caso recomenda-se que o início da CO se faça apenas a partir das 6-8 semanas após o parto.

Livros grátis melhorsaude.org melhor blog de saude

Como retardar a menstruação com a toma  da pílula contraceptiva?

Esta é uma  pergunta recorrente ao balcão  da farmácia, sendo as indicações em  função  do tipo de pílula  as seguintes:

COCs monofásicos

Começar a embalagem seguinte  imediatamente  após terminar  a  anterior, ou  seja, sem  fazer os 7  dias de  Esta embalagem pode  ser tomada até  ao  fim. Caso a mulher queira  menstruar, basta parar de  tomar os comprimidos em  qualquer  altura.  Durante a toma  da segunda embalagem podem ocorrer hemorragias irregulares. A embalagem seguinte às 2 consecutivas deve  ser iniciada  após os 7 dias habituais de intervalo.

COCs bifásicos

Assim que  terminar  a  embalagem  anterior, começar a  tomar os comprimidos com  a dosagem mais elevada de progestagénio e mais baixa  de  etinilestradiol da  embalagem seguinte  (ou seja, começar a  toma  da  embalagem seguinte pelo  1º comprimido dos últimos 15  da embalagem). Estes podem ser tomados até  ao final dessa embalagem (no máximo  15 dias).

Assim que queira menstruar basta parar de tomar a 2ª embalagem. a embalagem seguinte deve ser iniciada  após os 6 dias habituais de intervalo. Tal como  no  caso dos COCs monofásicos, durante a toma  da 2ª embalagem podem ocorrer hemorragias irregulares.

COCs trifásicos

Após terminar a  embalagem, iniciar  a  toma   dos últimos  10  comprimidos  da embalagem seguinte, aqueles que têm  maior concentração de progestagénio. Essa embalagem pode  ser tomada até  ao fim (no máximo  10 dias). Quando  quiser menstruar a  mulher pode  parar essa  embalagem em  qualquer altura. A embalagem seguinte deve  ser iniciada  após o período habitual de 7 dias de intervalo.

Quais as situações que justificam medidas contraceptivas adicionais?

1)  Esquecimento de uma toma  do CO superior a 12 horas ou de mais do que uma toma, independentemente do intervalo de tempo decorrido. Para informação adicional acerca de como continuar a toma da restante embalagem do CO, consultar o rcm do medicamento em questão.

2)  Ocorrência de vómitos até às 4 horas subsequentes à toma do CO ou aparecimento de diarreia grave, dado que a absorção pode ser incompleta e pode já não existir uma contracepção fiável.

Num e noutro caso, deverá recorrer-se a métodos contraceptivos adicionais até 7 dias após o desaparecimento dos sintomas ou o esquecimento da toma,  mantendo a toma  regular do CO habitual.

3)  Suspeita de interacção medicamentosa entre o CO e algum outro medicamento, que  a mulher esteja a tomar. Neste caso, deverão utilizar-se métodos contraceptivos adicionais até 7 dias após a eliminação do medicamento do organismo (varia consoante o tempo de semi-vida do medicamento em causa).

Após utilização pilula do dia seguinte, quando se deve iniciar a toma do CO?

Após a toma do COE o retorno à fertilidade é imediato, pelo que, caso a mulher não esteja já a fazer contracepção regular, deve ser aconselhada a fazê-lo.

No caso de toma habitual de COs, a embalagem em uso deve ser reiniciada no dia seguinte ao da toma do COE, não estando indicada a toma dos contraceptivos omitidos quando se recorre ao COE. Assim, é intencionalmente omitida a toma do comprimido relativo ao dia da toma do COE.

Caso a mulher não esteja a tomar CO e deseje fazê-lo, existem 2 opções:

  • Esperar e iniciar a contracepção no primeiro dia do próximo ciclo menstrual, ou
  • Iniciar a contracepção no dia imediatamente após a toma da COE.

É importante aconselhar abstinência sexual ou o uso de um método auxiliar (barreira – como por exemplo diafragma com espermicida, preservativos) nos primeiros 7 dias após o início da contracepção caso seja um COC, ou nos primeiros 2 dias caso se trate de um COP, independentemente de quando se inicia a contracepção.

Que medicamentos e outros podem diminuir a eficácia da pílula?

No que se refere à eficácia das pílulas convencionais, a interacção com fármacos capazes de provocar um aumento das enzimas microssomais hepáticas pode provocar um aumento da metabolização das hormonas sexuais, com a consequente redução da eficácia contraceptiva do método. Os principais são os seguintes:

  • Antiepilépticos,
  • Rifampicina,
  • Ritonavir,
  • Griseofulvina,
  • Hipericão.

Uma referência especial ao hipericão por ser uma planta muito utilizada em chás e que muitas mulheres podem, sem saber, tomar e ficar desprotegidas.

Concluindo

Por parte de muitas mulheres existem imensas dúvidas recorrentes sobre a contracepção oral e de emergência. Este guia foi elaborado para responder a todas as dúvidas que possam surgir e desta forma contribuir para tranquilizar as mulheres e ajuda-las a fazer a melhor escolha para o seu caso… e cada caso é um caso!  Apesar de disponibilzarmos toda esta informação não deve nunca esquecer o precioso apoio do seu Médico ou Farmacêutico.

Não deve também ser esquecido que apesar de se tratar de um artigo sobre contracepção esta só faz sentido dentro duma politica estruturada, num país que verdadeiramente tenha vontade de olhar para o futuro, e que permita ás mulheres, que nele vivem, e seus companheiros formarem famílias estaveis e Felizes e por esta via regenerarem a “medula da sociedade” que por estes dias corre o risco de ficar “leucémica”…

Fique bem!

Franklim Moura Fernandes

Fontes:

  • CEDIME ( Centro de Documentação e Informação do Medicamento )
  • Dra Margarida Castel-Branco, da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
  • INFARMED
  • Direcção Geral de Saúde – Programa Nacional de Saúde Reprodutiva
  • Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health

Por favor PARTILHE este artigo e ajude muitas mulheres e suas famílias a terem uma vida mais tranquila e FELIZ!

Mulheres 16 doenças comuns melhorsaude.org melhor blog de saude

CANDIDÍASE vaginal melhorsaude.org melhor blog de saude