MEDICAMENTOS CONTRA ARTRITE PODEM COMBATER DEPRESSÃO?

http://www.melhorsaude.org

1896804_739657582783428_6924221066869871962_nInvestigações de sete universidades do Reino Unido irão formar um grupo de pesquisa que irá explorar uma conexão recém-descoberta entre doenças do sistema imunológico e problemas mentais, avança o site noticioso Info.

A relação cria a expectativa de que medicamentos anti-inflamatórios poderão ser adaptados para o tratamento de pacientes com depressão ou demência.

O grupo, que envolve pesquisadores de Cambridge, Cardiff, Glasgow, Oxford, Southampton e de King’s College, ganhou uma bolsa de 5 milhões de libras do governo britânico e da indústria farmacêutica.

“Evidências recentes mostram, de forma irrefutável, que existe uma conexão entre depressão e a inflamação gerada pelo sistema imunológico do corpo”, afirmou o neurologista Ed Bullmore, líder do grupo de pesquisadores.

O mecanismo exato pelo qual o sistema imunológico gera mudanças de humor e altera o progresso de doenças como a depressão ainda não foi totalmente compreendido. Mas, segundo Bullmore, os sinais são claros.

Uma evidência forte é trazida por estudos de pacientes com hepatite. Eles geralmente são tratados com interferon, um remédio que gera uma resposta inflamatória que elimina o vírus da hepatite. O tratamento é muito eficiente, mas entre 30 e 40% dos pacientes desenvolvem sintomas da depressão.

“Essas são pessoas que não estavam deprimidas antes de tomarem os medicamentos — apesar de já terem hepatite — e que não tinham histórico de depressão”, afirmou o investigador.

“Mesmo assim, elas ficaram deprimidas assim que tomaram interferon e ele gerou inflamação. Isso sugere que o sistema imunológico ‘conversa’ com o cérebro de alguma forma e que a inflamação no corpo pode gerar depressão. É possível que o contrário também seja verdadeiro e que o cérebro de alguma forma afecte o sistema imunológico, mas essa conexão ainda precisa de mais estudos”, disse o neurologista líder da pesquisa.

A conexão sugere que pode ser possível adaptar os remédios anti-inflamatórios para que eles possam tratar pessoas deprimidas.